26 de agosto de 2019

Associação oferece serviço especializado de registro para startups e aplicativos

Direito Autoral | Propriedade Intelectual |

Entidade também atua como aceleradora de novos projetos, garantindo direitos autorais no Brasil e no exterior.

A Associação Nacional dos Inventores (ANI) está apostando no crescimento das soluções digitais para oferecer uma nova modalidade de apoio ao público inventor e empreendedor: o registro de propriedade intelectual de startups, aplicativos para ‘smatphones’ e até mesmo empresas unicórnio – startups que valem mais de R$ 1 bilhão. A digitalização de produtos e serviços ao longo das últimas décadas abriu espaço para um novo mercado de ideias e soluções, mas ao mesmo tempo ampliou a instabilidade autoral, uma vez que é muito mais fácil alguém se apropriar ou até mesmo espalhar uma nova ideia ou solução.

Carlos Mazzei, presidente da ANI, observa que cada vez mais o celular será usado para atender as atividades diárias da população. Novos aplicativos surgem rapidamente e com diversas propostas, desde soluções que ajudam na prática de exercícios físicos, passando por aplicativos que auxiliam no controle peso, e oferecem até mesmo um suporte às finanças pessoais, entre outras atribuições. “Entendo que esse movimento deverá fazer com que o smartphone seja cada vez mais uma extensão do nosso corpo. Existem muitos apps (aplicativos) registrados, mas muitas ideias e soluções ainda podem e vão surgir”, prevê.

O ‘DEAL!’, por exemplo, é uma das últimas novidades registradas pela associação. O sistema já possui registro Copyright e funciona por meio de um aplicativo para celular. Compradores e vendedores que buscam negociar imóveis e veículos podem usar uma plataforma de confiança para realizar as transações de maneira segura. O valor da negociação é mantido em custódia até que o vendedor escaneie os documentos apropriados e os envie ao comprador, comprovando a legitimidade do negócio. Após a certificação dos dados, o dinheiro é liberado pelo comprador. Todo o processo funciona de maneira fácil e intuitiva, oferecendo confiabilidade para ambos e evitando intermediações ou burocracias desnecessárias.

Outro exemplo é o “Smart Portable Handbook“, um dispositivo que substitui os manuais de uso de veículos e funciona por meio de um software interno. O sistema possui vídeos de alerta sobre manutenção do veículo, direção defensiva e de pontos cegos, ensinando todas as funcionalidades do veículo – passo a passo e com interpretação em libras para deficientes auditivos. O produto já está devidamente registrado junto ao INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial).

De olho nessa tendência e em busca das melhores soluções para proteger os direitos dos criadores e empreendedores, a ANI oferece suporte completo para o processo de registro de propriedade intelectual através do registro de copyright nos EUA.. Segundo Mazzei, o grande diferencial da ANI é a presença em todo o processo, prospectando e intermediando as negociações entre o idealizador e o investidor.  “Caso o empreendedor ou criador tenha um aplicativo inovador e não saiba como viabilizar a sua comercialização e registro, temos como ajudá-lo com todo suporte jurídico e comercial, tanto no Brasil como no exterior, infelizmente o registro de aplicativos no Brasil não pode ser feito, pois o INPI registra só patentes de produtos e o direito autoral não tem lei especifica para este tipo de solicitação, neste caso recorremos ao escritório de patentes americano para validar o registro do projeto do idealizador”, finaliza.

A Associação Nacional dos Inventores (ANI) foi criada com o objetivo de promover as invenções brasileiras e prospectar parceiros de negócios no mercado. A entidade atua há mais de 30 anos no mercado, intermediando registros de patentes e o processo de negociação das inovações criadas por brasileiros. Os inventores recebem apoio comercial e jurídico tanto para o registro das invenções como para negociá-las com possíveis empresas e investidores.

Sua sede abriga o único museu de invenções da América Latina, chamado de ‘Inventolândia’. O local conta com mais de 500 protótipos de inventores brasileiros, abertos à visitação para alunos e ao público em geral.

Fonte Terra.com.br | Foto Freepik